fbpx

Telefone

47 3368-9438

Endereço:

Final da Rua 258, esquina com a rua 260-A, nº915 - Meia Praia/Itapema (Ao lado do Colégio Atlântico)

Cuidados ao praticar atividades físicas no verão

Deve se ter alguns cuidados ao praticar atividades físicas no verão.

No verão é normal todo mundo se animar mais para praticar exercícios, principalmente ao ar livre. Mas há alguns cuidados que precisam de atenção!
No calor, muita gente acaba trocando a academia pela prática de alguns exercícios e esportes ao ar livre. Corrida na beira mar, vôlei na praia, o que não falta são opções de atividades físicas para aproveitar o verão. E essa é uma ótima ideia… só exige alguns cuidados!
No verão, as temperaturas sobem e, na nossa região, podem chegar a marcar até 35 graus. Por isso, alguns cuidados devem ser tomados para que você não passe mal ou sinta fraqueza durante a execução dos exercícios.
Confira tudo o que você deve e não deve fazer para que o calor em excesso não atrapalhe suas atividades físicas.

Cuidados com a prática de exercícios físicos no calor

1- Evitar fazer atividades em horários que o sol está muito forte
Atividades físicas ao ar livre não podem ser feitas em qualquer horário, devido ao calor. Os melhores horários para praticá-las são no início da manhã até às 10h e após às 16h.

Todo organismo possui um mecanismo capaz de manter os principais órgãos do corpo em uma temperatura estável. Quando em repouso, os músculos produzem pouco calor, comparado ao coração, por exemplo. Porém, quando um músculo é trabalhado por meio de uma atividade física, pode produzir 50 vezes mais calor que o resto dos órgãos juntos. Esse calor interior é liberado para fora através do suor, como um processo de resfriamento do organismo.
Quanto maior a temperatura corporal, maior a quantidade de calor que você vai produzir, o que pode acabar ocasionando, entre outras coisas, a desidratação. Se a temperatura do seu corpo aumentar muito, pode ainda causar desmaios e choque térmico.

2- Mantenha-se o tempo todo hidratado
Falando em desidratação, vale lembrar: beba água com mais frequência do que o normal.

Quando se faz atividade física, você perde muita água através do suor. Se você não repor a quantidade suficiente que seu corpo precisa para funcionar corretamente, acaba ficando desidratado. Muita gente está cansada de ouvir falar sobre isso, e mesmo assim não dá o devido valor ao consumo de água, principalmente no verão. E ela pode ser bem mais séria do que você pensa, a desidratação pode causar desde tonturas e vômitos até a perda da consciência. Então, no calor, dobre seu consumo de água, ou até isotônicos, que além de matar sua sede, ainda devolvem minerais e nutrientes que seu corpo perde com o suor.

3- Use filtro solar
Parece bobagem, mas filtro solar deve se tornar um hábito! Ele é a arma mais poderosa contra o câncer de pele, e não pense você que isso é bobagem de mulher. O ator Hugh Jackman, que interpreta o Wolverine nos cinemas, foi diagnosticado com câncer de pele já faz um tempo, e vive fazendo tratamentos para amenizar os quadros da doença. O próprio levanta a bandeira da importância do filtro solar, e do quanto ficar exposto muito tempo ao sol pode trazer riscos à saúde. Então antes de caminhar pela praia, ou correr no seu parque favorito, use filtro solar!

4- Invista numa alimentação mais leve
Se no inverno nosso corpo sente uma necessidade maior de comer alimentos mais calóricos graças ao frio. A boa notícia é que no verão a gente acaba preferindo investir em alimentos mais “frescos” como saladas, frutas, vitaminas. O que é ótimo, porque além de ajudar a manter a sua dieta, os alimentos mais leves auxiliam na sua digestão, evitando que você fique estufado, ou ainda que isso atrapalhe a execução dos seus exercícios. O ideal antes de ir treinar é comer uma fruta, e ingerir menores quantidades de comida durante todo o dia.

Agora sim você está pronto para aproveitar o verão ao máximo!

1º de dezembro – Dia Mundial de Combate à Aids

O Dia Mundial de Combate à Aids é comemorado anualmente em 1º de dezembro e tem por finalidade levar informação sobre a doença e diminuir o preconceito.

 

A Aids, apesar de ser uma doença sem cura, não é mais considerada uma sentença de morte imediata.

O Dia Mundial de Combate à Aids é comemorado em 1º de dezembro e tem por função primordial alertar toda a sociedade sobre essa doença. A data foi escolhida pela Organização Mundial de Saúde e é celebrada anualmente desde 1988 no Brasil, um ano após a Assembleia Mundial de Saúde que fixou a data de comemoração.

Mas, afinal, o que é Aids?

A Aids é uma doença causada pelo vírus HIV, geralmente por contato sexual desprotegido com pessoa contaminada, mas pode ser também transmitida por transfusão sanguínea e compartilhamento de objetos perfurocortantes. Diferentemente do que muitos pensam, ser HIV positivo não é o mesmo que ter Aids. A Aids é o estágio mais avançado da doença, quando o sistema imunológico encontra-se bem debilitado.

A Aids é uma doença que não mata por si só. Por causar um grande impacto no sistema imunológico, o paciente fica sujeito a doenças oportunistas, como a pneumonia, que surgem no organismo nesse momento de fraqueza. Assim sendo, não se morre de Aids, morre-se das complicações geradas pelas doenças oportunistas.

Breve Histórico da Aids

Os primeiros casos de Aids foram descobertos nos Estados Unidos, Haiti e África Central em 1977 e 1978, mas só foram classificados como a síndrome em 1982, quando se compreendeu melhor a doença. No Brasil, o primeiro caso foi diagnosticado em São Paulo, em 1980.

As formas de transmissão da doença começaram a ser entendidas em 1982. Nessa época, o preconceito ainda era muito grande. A falta de conhecimento sobre a doença levou à adoção do nome Doença dos 5H: homossexuais, hemofílicos, haitianos, heroinômanos (que usam heroína) e hookers (termo em inglês que se refere a prostitutas). Somente em 1985 começou-se a falar em comportamentos de risco em substituição ao termo grupos de risco.

Em 1991, iniciou-se a compra de medicamentos antirretrovirais para distribuição gratuita e, em 1993, o Brasil começou a produção do coquetel que trata a Aids (AZT). Somente em 1996 foi criada uma lei sobre o direito do doente de receber o medicamento gratuitamente, o que impulsionou a melhora da qualidade de vida dos milhares de infectados. O Brasil avançou na luta contra a doença e, em 1999, já disponibilizava 15 diferentes medicamentos para tratar a Aids.

 

 Por que é importante ter um Dia Mundial de Luta contra a Aids?

A Aids, até o momento, é uma doença que não possui cura, portanto, é necessária uma proteção eficiente contra ela. Ao criar um Dia Mundial de Combate à Aids, o objetivo era chamar a atenção sobre esse problema, desde sua prevenção até seu tratamento, e acabar com o preconceito.

É importante mostrar para a população que não se contrai Aids com um simples aperto de mão ou abraço em um paciente. É importante mostrar também que uma pessoa com o vírus pode relacionar-se e trabalhar normalmente. Além disso, deve-se mostrar que, hoje, a Aids não é uma sentença de morte e que é possível, sim, viver bem com a doença. Porém, também devemos nos preocupar com sua transmissão, uma vez que é uma doença sem cura e que pode afetar a qualidade de vida de uma pessoa.

O dia 1º de dezembro serve, portanto, como um alerta sobre a Aids e como uma forma de repensarmos nossas atitudes com os portadores da doença. Não se trata de um dia exclusivo para informações de saúde, é um dia que também nos remete à compaixão e solidariedade.

Atualmente o governo fornece para a população o teste gratuito nos postos de saúde.

Na dúvida procure sempre um médico capacitado.

 

CURIOSIDADE: O laço vermelho utilizado na luta contra a Aids foi criado em 1991 pela Visual AIDS de New York, que queria fazer uma homenagem aos amigos com a doença. A cor vermelha remete ao sangue e à paixão.

 

 

Diretor Técnico Médico Dr. Clício J. Dezorzi  CRM/SC 11.211

O Outubro é Rosa e o Novembro Azul

A prevenção e diagnóstico precoce fazem toda a diferença!

Segundo dados do Instituto Nacional de Câncer (Inca), o Brasil deve registrar cerca de 600 mil novos casos da doença tanto em 2018 com em 2019. O câncer de pele não melanoma é o mais frequente no país, seguido pelo câncer de mama para mulheres e de próstata para os homens.

Tanto o câncer de mama quando o de próstata possuem estágios. Quanto mais avançado esteja o estado da doença, menor são as chances de cura, por isso é tão importante manter os exames em dia.

O câncer de mama, possui 5 estágios:

  • Estágios 0, 1 e 2: são os iniciais, onde o tumor está limitado apenas à mama. Nestes estágios as pacientes têm chances de cura, desde que o diagnóstico ocorra cedo e que a paciente responda bem ao tratamento.
  • Estágio 3: o câncer é chamado de “câncer de mama localmente avançado”, o que significa que se espalhou para os nódulos linfáticos e/ou para outros tecidos da mama.
  • Estágio 4: o câncer é chamado de “câncer de mama metastático” ou “câncer de mama avançado”. Nesta fase, ele se espalhou para outros locais do corpo, como fígado, pulmões, ossos, cérebro entre outros tecidos

Conhecer o estágio do câncer auxilia o médico para receitar o tratamento mais adequado para o paciente. Apesar do câncer  no estágio 4 não ter cura, hoje existem tratamentos modernos, como as terapias-alvo, que proporcionam às mulheres uma qualidade de vida melhor e em alguns casos, adiam o início da quimioterapia.

O diagnóstico precoce, ajuda a detectar as fases iniciais, aumentando a chance de cura e tratamento. Todas as mulheres após os 20 anos, com casos de câncer na família, ou com mais de 40 anos, sem casos de câncer na família, devem realizar o autoexame da mama.

Você mesma pode realizar o autoexame em casa. Deve-se seguir 3 passos principais: observação em frente ao espelho, palpar a mama de pé e repetir a palpação deitada.

Como fazer o auto exame?

Em frente ao espelho

Observe o tamanho, forma e cor das mamas, se há inchaços, abaixamentos, saliências ou rugosidades.

Palpação de pé

Deve ser feita durante o banho com o corpo molhado e as mãos ensaboadas.

Depois da palpação da mama, deve-se também pressionar os mamilos suavemente para observar se existe a saída de líquidos.

Palpação deitada

Deve-se deitar e colocar o braço esquerdo na nuca e palpar a mama esquerda com a mão direita, como mostra a imagem 5.

Havendo alterações que não estavam presentes no exame anterior ou se existir diferença entre as mamas, consulte seu ginecologista ou mastologista.

Logo após o Outubro Rosa, começa o Novembro azul, mês que pretende acabar com o tabu sobre o exame de toque para os homens.

Conheças os estágios do câncer de próstata:

 

●     Estágio 1: Geralmente não apresentam sintomas, por isso é mais difícil de detectar. Apresenta pequenos tumores e estão dentro da próstata. Apenas homens que efetuam a prevenção anual podem descobrir com antecedência e iniciar o tratamento. O urologista irá detectar estes tumores através do toque retal e exames de PSA.

●     Estágio 2: Muito semelhante ao primeiro, contudo os tumores são maiores. Ainda assim, é necessário o acompanhamento preventivo com o urologista para que o câncer de próstata seja descoberto neste estágio.

●     Estágio 3: Neste estágio, os tumores crescem fora da próstata. Mas sem atingir outras partes do corpo, como o reto e a bexiga. A probabilidade de cura da doença com o tratamento é maior.

●     Estágio 4: O último estágio do câncer é quando a doença está se espalhou para outras partes do corpo. Em geral, neste nível não há mais chance de cura, mas deve-se ser tratado para mantê-la sob controle e proporcionar maior qualidade de vida ao paciente.

A prevenção contra esse câncer deve ser iniciada a partir dos 50 anos com o médico urologista. Muitos dos pacientes chegam ao consultório médico com a doença já em estado avançado, pois no início é difícil detectar, por isso é de suma importância manter os exames em dia.

Alguns dos sintomas são vontade de urinar com urgência, dificuldade para urinar, levantar-se várias vezes à noite para ir ao banheiro, dor óssea, queda do estado geral, insuficiência renal e dores fortes no corpo.

Lembrando que os sintomas só só aparecem nos casos avançados, por isso se sentir qualquer sintoma citado, procure seu médico.

Devemos conscientizar as pessoas sobre a importância da prevenção e diagnóstico precoce, para assim haver mais chances de cura.

E não esqueça: faça sempre seus exames anuais e cuide de sua saúde!

 

Referência: http://www2.inca.gov.br/wps/wcm/connect/inca/portal/home

Loading...